Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Club dos contos eroticos » Contos Cornos » Não acreritei que aquela grossura entrou nela.

Não acreritei que aquela grossura entrou nela.

Publicado em 13/07/2021 por Casal_john&regina

Olá, eu sou o John, 45 anos e casado com Regina ha 12 anos. Regina é uma quarentona (42 pra ser exato) em última forma e muito sensual.

Moramos em uma cidade fria do interior, cidadela onde praticamente todos se conhecem.

Regina é bancária e eu advogado, por este motivo levamos uma vida muito regrada por aqui e como as férias  dela são em agosto, geralmente frio por essas bandas, sempre vamos ao nordeste curtir as praias que tanto gostamos.

Em 2019, antes desta pandemia que nos impediu de viajar ano passado, fomos para Pernambuco, na Ilha de Itamara onde ficamos por 22 dias em uma casa que alugamos la.

Casa muito legal, com churrasqueira, piscina e próxima à praia do Forte Orange no extremo sul da ilha.

Como havia alugado um carro em Recife, pedíamos aproveitar toda a ilha e adjacências.
Íamos à praia todos os dias e nas noites, barzinhos, preferencialmente os com musica ao vivo.

Na praia durante o dia eu sempre notava os caras passando de olho na Regina, e não era pra menos, com o minúsculo biquini que ela usava esbanjando aquela bunda maravilhosa e os seios fartos, chamava atenção até das mulheres.

Nas noites ela sempre saia muito sensual, blusinhas de crochet sem soutien, mini saias sem calcinha, saltos altos, sempre do jeito que adoro, tanto que em algumas vezes nem esperávamos chegar na casa, nas madrugadas de volta dos bares, transavamos no carro mesmo.

Certa noite estávamos em um bar, acho que o mais legal da ilha, proximo a um enorme terreno baldio com algumas árvores e que servia de estacionamento para o bar, um varandao enorme que circunlava todo o estabelecimento e onde ficavam as mesas e lá dentro so os banheiros e um salão de dança extremamente escuro.

Era tão escuro que quando entravamos so viamos as luzes de indicação dos banheiros lá no fundo.

Ja não era a primeira noite que iamos a este bar, povo muito alegre e descontraido, mesmo estando juntos na mesa, as meninas sempre vinham me convidar para dançar e o mesmo acontecia com os rapazes e a Regina, mas nesta noite nosso papo estava bom, a bebida gelada e a porção deliciosa, recusamos alguns convites para dançar e em algum momento começou uma sequência de forros que a Regina adora (eu não sei dançar), nisso, passou um rapaz e a convidou, ela só piscou pra mim, levantou-se e foi.

Deve ter tocado uns 5 ou 6 forros e depois começou uma sequência de rock ballad, aquelas lentas e passadas umas 3 músicas a Regina reaparece com uma carinha de assustada, senta-se ao meu lado e gruda em meu braço quietinha. Perguntei a ela o que houve e ela me respondeu:
-Estavamos dançado e o cara mandava bem no forró, assim que terminou e começaram as lentas ele me convidou pra continuar, pensei, porque não?! E continuamos dançado.

Mas sabe como é lenta ne amor, corpo colado, carícias, beijinho na nuca, mordida na orelha e eu até estava gostando, ele dançava tão bem quanto no forró.

De repente a mão dele desceu pra minha bunda, os beijos vieram pra boca, mas estávamos la naquele escuro e estava muito bom, mas acho que ele percebeu que eu estava sem calcinha, tirou a mão da minha bunda, colocou entre a gente e atolou o dedo na minha xana, começou a se contorcer, achei que fosse fazer alguma besteira ali e alguém pudesse perceber, deixei-o sozinho lá e voltei pra mesa.
Eu ri muito e disse, viu só, vem provocante desse jeito e acha que so eu vou notar?

Depois de se acalmar, tomar mais cervejas e continuar comendo e conversando comigo ela disse que estava muito bom e que o volume dele era impressionante, rsss, mas que achou melhor sair de la antes que alguém percebesse.

Passado isto ainda ficamos no bar até perto das 3 da manhã quando paguei a conta e saímos em direção ao terreno onde estava o carro, lá no fundo perto de algumas árvores.

No caminho percebi que não caminhavamos sozinhos e num olhar de relance a Regina me disse que o rapaz da dança estava nos seguindo, pois bem, entramos no carro e ele se encostou em uma arvore proxima e ficou nos observando. Foi aí que disse ela:
– Esta afim de dar um amasso nele, chama.
– Sera amor?
– Sim, se vc estiver afim, manda ver.
– Humm, ok, fiquei curiosa em conferir aquele volume mesmo, rsss
Regina fez sinal pra ele que se aproximou da janela do lado dela.

Ela o convidou pra entrar no carro, mas ele negou, pediu pra ela sair.

Mesmo com a insistência dela, ele relutou em entrar.

Então Regina esticou o braços pra fora, acariciou sobre a calça dele e pediu pra ele mostrar.

Quando o rapaz tirou aquela anaconda pra fora, até eu me assustei, pois nunca havia visto nada igual, nem em filme pornos, fotos de internet ou coisa assim.

Logo pensei, “não e a toa que os pernambucanos tem esta fama” mas daquele tamanho e grossura, eu nunca nem havia imaginado existir.

Regina, mesmo assustada, não se fez de rogada e tentou segurar aquela tora com a mão, mas a mãozinha dela não conseguia se fechar em torno do instrumento do rapaz. Ela desceu do carro, o abraçou num beijo ardente, se abaixou e começou a dar linguadas naquela tora, tentava coloco-lo na boca, mas não conseguia nem colocar a cabeça na boquinha, então punhetava e lambia e quanto mais ela fazia isto, mas eu percebia que aquilo ficava duro e com veias saltadas, mesmo com a pouca visão que me permitia naquele canto de terreno escuro, onde só se tinha a luz de longe da rua e a interna do carro, mas eles estavam fora.
Passado um tempo o rapaz encosta Regina na lateral do carro, a deita no capo, abaixa-se e começa a chupa-la, ela delirava, pois já estava ensopada de tesao, ele subia, mamava nos peitoes dela, descia com a lingua pela barriguinha, chegava na xana de novo e ela gemendo de tesao, subia novamente, mamava, subia mais e a beijava, batia com aquela benga na barriguinha dela, ela segurava, esfregava na xota, estavam a ponto de fogo.
Nisso percebi que o rapaz encabeçou o bicho na entrada da xana da Regina e começou a força, logo pensei, isso não entra ai, de jeito nenhum, nem cabe.

A Regina se contorcia, abria mais as pernas, fechava, baixava e lambia mais a cabeça do pau e nada de entrar, ai o rapaz também abaixava e enxarcava mais ainda a xana dela, voltava a tentar e não entrava.

Então foram pra frente do carro, ele a colocou de bruços no capo, ela abriu bem as pernas e ele tentou novamente, mas nada. Eu so via a cara de desespero dela me encarando de frente agora, era muito tesao e nada de foda, o rapaz cuspia no pau, chupava a Re, voltava a tentar e era tudo em vão.

Ela virou de frente pra ele, lhe deu outro beijo ardente, cochichou algo em seu ouvido, deitou com as costas no capo, pernas bem abertas e o rapaz voltou a tentar, fez força, puxa, empurra, mais força, ouvi um gritinho da Regina, abri a porta, mas ela virou a cabeça, me olhou e fez sinal com a mão pra eu ficar tranquilo, fechei a porta e continuei observando, o rapaz tentar empurrar aquela tora, Regina se mexendo até que ela solta um grito mais alto, de dor e provavelmente pela gloria de ter conseguido algo muito dificil.

Quando noto o rapaz ja estava naquele movimento de vai e vem com a piroca dentro dela, ela começou a relaxar, abriu os braços no capo do carro e começou a aproveitar.

O cara segurava nos peitoes da Re e ficava com o quadril naquele movimento de vai e vem sem parar, por vezes baixa em cima dela, dava uns beijos e voltava pra posição segurando os peitos e bombando.

Quando bato o olho no retrovisor direito vejo um outro rapaz olhando a cena e se punhetando, assim como eu ja estava tambem.

O pirocudo comecou a aumentar o ritmo e anunciar o gozo que não demorou.

Depois de gozar deu um beijo nela, tirou aquela tora todo de dentro da Re, subiu as calcas e saiu feito um bicho do mato, nem a auxiliou a se recompor.

Nisso vejo o vulto do outro rapaz passando ao lado do carro e foi ver a Regina, mas acho que ela estava muito destruida, o rapaz simplesmente ficou olhando e se punhetando, ela olhando aquilo, ajoelhou-se e deu uma ajuda pra ele chupando o seu pau que não demorou a jorrar o farto leite em sua boca e peitos. Regina entrou no carro e saimos dali em direção a casa.

No caminho ela me dizia que ardia muito, mas que valeu a pena sentir aquela jiboia dentro dela e que gozou muito.

So quando chegamos na casa e fomos para o quarto, com a luz acesa pude perceber o estrago que o pirocudo havia feito, a buceta da Regina estava deflorada, gigante, inchada a ponto de estar com a pele fininha e muito vermelha, nunca a vi naquele estado.

Chupei muito, aquela pele fina me encantava, o cheiro de sexo era grande assim como minha excitação, não exitei e coloquei o meu pau pra dentro, acredito que ela nem o tenha sentido como antes, mas gozei rápido, estava com muito tesão.
A aventura foi utima e não saiu de nossas mentes, mas também nos rendeu 3 dias de férias sem praia, a Re não conseguia colocar a parte debaixo do biquini e na manhã seguinte fui a farmácias comprar pomada e analgésica pra cuidar da minha deliciosa esposa.

Antes e depois desta noite houveram outras aventuras, mas por hoje esta basta.
Segue uma foto da Re. espero que gostem e para comentários.

4958 views

Contos relacionados

Deixei minha esposa ser sodomizada pelo amigo dela

Sou casado e minha esposa Elvira é evangélica, com 27 anos, corpo sarado e tudo em perfeita forma, tudo durinho, seios, barriguinha, coxas, bundão e tudo mais. Quando éramos noivos ela temendo...

LER CONTO

Fui corno de um cara que conhecemos em grupos de putaria

Fui corno de um cara que conhecemos em grupos de putaria Eu  dividi minha esposa com um estranho que conheci em grupos de putaria,  faz alguns anos e hoje tava batendo punheta lembrando do dia...

LER CONTO

Levei um amigo em Casa para ele fuder a minha esposa:

Olá, me chamo Rodrigo e minha esposa se Chama Cláudia ela tem 27 anos, Clau é muito safadinha e adora me falar sobre os seu fetiches e fantasias, certa vez ela me disse que o seu sonho era ser...

LER CONTO

Minha Esposa Transou com o Ex-Namorado Policial (Parte III)

Continuando o conto anterior, após a Carla entrar no quarto ficamos eu e o Roberto escutando os gemidos das duas esposas com os policiais no quarto. A Camilla chegava a gritar sendo currada pelo...

LER CONTO

4 - Comentário(s)

  • Alemao 13/03/2024 16:13

    Karlos, quando tranzo com minha esposa ,, falo no seu ouvido que imagino a bucetona dela esfregando numa rola grande como a minha 19 cm só para ver ela gozar umas três vezes sem parar ,,, quando falo assim ela goza sempre . Quem sabe vamos em um baile para que ela aceite um parceiro diferente.

  • Bru 03/03/2024 19:17

    Sou novinho tenho 21 anos e um dot de 20cm sou de SC tbm manda mensagem no email para conversarmos e ver oq rola [email protected]

  • Done 13/09/2023 11:35

    Adorei gostaria de conhecer o casal sua gata dv ser uma delicia manda fotos dela que mando como fiquei imaginando comendo ela na sua frente [email protected]

  • Júlio cesar 30/12/2021 21:00

    Nossa que delicia

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 1 = ?
© 2024 - Club dos contos eroticos