Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Club dos contos eroticos » Contos locais públicos » DANDO O CÚ PARA O VENDEDOR DA LOJA DENTRO DO PROVADOR

DANDO O CÚ PARA O VENDEDOR DA LOJA DENTRO DO PROVADOR

Publicado em 06/03/2023 por Casado Passivo

Duque de Caxias no RJ, eram quase três horas da tarde e eu acompanhei minha mulher numas compras num mercado, passamos na feira livre pra depois de deixarmos tudo em casa, irmos no calçadão central de Caxias, onde tem um centro comercial.

DANDO O CÚ PARA O VENDEDOR DA LOJA DENTRO DO PROVADOR

DANDO O CÚ PARA O VENDEDOR DA LOJA DENTRO DO PROVADOR

Deixei ela no setor de roupas íntimas com uma vendedora e comecei a procurar por bermudas e camisetas que estavam em promoção no lado masculino. Poucos vendedores para também poucos compradores. Isso me deixava mais a vontade pra ver o que queria sem pressa e a agitação que alguns vendedores empregam para conseguir um maior número de vendas, e estava com uma cestinha onde já estavam algumas calcinhas que eram minhas e outras dela, com uns pares de meias sociais.

Cleyton um vendedor se aproxima e pergunta se pode me ajudar e fica ali por perto, acompanhando distante e sempre tirando minhas dúvidas.

Minha mulher chegou com algumas blusinhas e mais umas lingeries que ela procurava. Eram conjuntos com calcinhas fio dental, meia calça com presilhas tipo cinta liga, e queria que eu ajudasse na escolha das cores.

Cleyton observando distante sempre e falava ao audio-fone interno.

Eu escolhi algumas cores que gosto até que ela me disse: “Essa daqui vai ficar muito bonita em você, vou ficar cheia de tesão te vendo com ela!”

Eu respondendo naturalmente disse que: “Prefiro as calcinhas mais justas e que entram mais. Iguais a esta, dá uma olhada nessa… Gosto assim.”

E ela de costas para Cleyton, saindo me disse: “Fica aí que vou trocar lá e pego mais duas dessas pra você tá?”

Ela se virando viu que o vendedor a olhava e saiu dali e fiquei na sinuca de bico com o rapaz olhando como se quisesse falar alguma coisa para mim, e onde eu estava, ele andava e ficava por perto. Quando perguntei se poderia provar umas peças ele me disse sem cerimônia: “Pode sim, só as calcinhas que não é permitido experimentar, desculpe-me!”

E na cara de pau, sentindo que ele se armou pra pescar de mim alguma coisa, eu disse a ele: “Sem problema querido, as calcinhas eu já sei quais me servem e se eu não gostar, minha mulher passa a usar. A gente troca… Onde posso experimentar a roupa?”

Ele me levou até os provadores nos fundos da loja e tirei a roupa e fiquei de calcinha e ele do lado de fora me dava as peças para experimentar.

Quando eu entregava a peça anterior e pegava a outra para experimentar, notava que ele me olhava através do espelho, e disse pra ele: “Sabia que você é muito ousado? Você tá vendo meu corpo pelo espelho cara. Eu sou casado, e você fica sondando aí pelo espelho. Tá curioso é isso?” E olhei e não vendo ninguém por perto, abri a cortina do provador até a metade e me exibir para ele só de calcinha. Ele olhando meu corpo fez uma cara de quem gostou do que estava vendo e eu disse pra ele: “Se fosse em outro lugar eu iria querer experimentar era outra coisa. Só se você for louco pra meter bem rapidinho e gozar logo!!!”

Cleyton deu uma olhada também pra se certificar que estávamos a sós, e entrou rápido no provador e só abriu o zíper de sua calça e tirou seu pau pra fora. Me abaixei e chupei e logo estava duro. Me virei de costas para ele abrindo as pernas e ele salivou o meu cú e a cabeça do cacete dele e meteu tudo dentro do meu rabo ali dentro da loja. Eu empinava a bunda e pedi baixinho: “Come gostoso mas goza rapidinho… Come meu cú!!!”

Cleyton me socava rápido e bastante firme nas pegadas e eu ajudava ele mexendo minha bunda e rebolando, e de repente senti ele esporrar jatos longos de porra bem gostoso dentro do meu cú. Assim que parou de espirrar eu saí do pau dele e chupei até ficar limpinho e ele guardou seu cacete e olhando discretamente saiu do provador e como nada tivesse ali acontecido, eu me vesti e separei as peças e fomos para o caixa onde lá estava minha mulher esperando.

Pagamos e ao sairmos, Cleyton veio nos acompanhando até a porta e ao se despedir de mim me disse: “Valeu mesmo… Você é incrível!”

Eu respondi a ele: “Você é o cara… Eu fiquei muito satisfeito. Deixei meu celular no cartão do caixa. Me liga!”

E fui pegar as sacolas e fomos para casa e dias depois acabamos nos encontrando outra vez e fomos para a casa dele que ficava no centro de Caxias, e lá metemos bastante, bem mais gostoso e ele pode me curtir.

Tudo que é inesperado é melhor!

E eu adoro levar uma pica na bunda sem aviso prévio!

Procuro andar sempre em locais do tipo sinistros, só pra me colocar em situações de risco de tomar no cú.

Adoro esse tipo de foda!!!

1185 views

Contos relacionados

Morena de jeans

Morena de jeans 06:00 Horario de pico. O primeiro trem que peguei não  deu em nada, mas está  cheio, a todo momento passa uma gostosa. Sento no banco, espero uns 5 minutos e vejo uma morena dos...

LER CONTO

Nunca sente no banco da frente do motorista uber

Era uma noite fria e tinha acabado de sair do trabalho, no ponto de ônibus sozinha e nada do ônibus passar. Pensei vou ter que chamar um Uber pra ir p/ casa, mas a parte ruim é o custo que aquela...

LER CONTO

SANDUICHE NO ONIBUS COM A NOVINHA

Hoje pela manhã já saí de casa na maldade , afinal tinha um tempinho que não conseguia encoxar mais por conta das conduções vazias, fui pegar o ônibus para o trabalho por volta de umas 7:30...

LER CONTO

Baixinha gostosa

Todas as vezes que pego o BRT, tenho reparado uma coroa baixinha com uma bunda enorme parecendo um moranguinho . Certo dia o ônibus lotado, como eu já havia reparado ela fui me achegando,e logo já...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 5 = ?
© 2024 - Club dos contos eroticos