Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Club dos contos eroticos » Contos traição » Sem saber meu marido escutava eu sendo enrabada – 2

Sem saber meu marido escutava eu sendo enrabada – 2

Publicado em 27/11/2023 por Helga Shagger

Me chamo Silmara e estou casada há três anos. Eu estou sendo abraçada fortemente por trás, me segurando firmemente no suporte da cabeceira da cama enquanto Diogo lentamente entra e sai do meu cusinho dando cusparadas de esperma, segundos após eu ter gozado loucamente gritando e soluçando sem conseguir pronunciar qualquer palavra que seja.

Do outro lado da parede onde a cama está encostada, é a cozinha do meu apartamento onde meu marido tem um sorrisinho nos lábios e se acaricia por cima das calças.

Dez minutos depois entro esbaforida, toda suada e com esperma escorrendo do meu cusinho deixando uma mancha mais escura no meu colant de ginástica. Meu marido Expedito, mais conhecido por Dito vem se aproximando de mim.
– Oooh, amorzinho! Estou toda suada! Estou louca por um banho!
– Sei, sei querida! Mas vem aqui um minuto! Vem!

Me pegando pela mão, chegamos à cozinha. Logo estou me escutando soltando gritos e soluços abafados do outro lado da parede. O maluco do Diogo gravou um áudio de nossas tardes de trepação, fazendo crer que estava com outra mulher. Eu, ali na presença do meu maridinho, estava sendo absolvida de qualquer suspeita se por acaso houvesse.
– Como trepa esse nosso vizinho, num é!? Pelo menos umas três vezes por semana e quase sempre nesse horário! Hoje eles demoraram um pouco mais!
– Vou tomar banho. Voce vem, amor?
– Deixa eu acabar essa cervejinha!

Tomei o banho e já estava me enxugando quando Dito entrou no banheiro e foi direto para o vaso sanitário.
– Parece que eles pararam agora! Aah, antes que eu me esqueça! Fomos convidados pra passar o final de semana no resort de um de nossos principais clientes!
– Ah, que bom! Onde é?
– Lá na divisa do Rio. Se chama Shagger-La Resort.
– Já ouvi falar! É bastante exclusivo! Só vai magnata! Caramba! Que cliente é esse que teu escritório descobriu?
– Ah ah ah! É uma longa história! Ganhamos um caso pro grupo empresarial dele. E só eu e mais três outros fomos convidados com as respectivas famílias. Viajamos amanhã, sexta!

Quando Dito entrou no banho, liguei pro Diogo contando a novidade. Ele me disse que ficaria de segunda a sexta fora num congresso organizado por uma indústria farmacêutica. Diogo é um médico ortopedista. É vinte anos mais velho que eu, mulato, não muito alto e andava engordando antes de me conhecer.

À primeira vista não é um homem interessante. Mas, basta ele tirar a roupa, que eu enlouqueço com a visão da fabulosa rola dele. Um fenômeno.
Foi feita pra penetrar em qualquer orifício humano sem causar dores excruciantes.

A glande é bem rosada e do tamanho normal até dois centímetros da base. Depois vai engrossando e se alongando por vinte e oito centímetros (eu medi!) e da grossura de uma lata de cerveja.
Os vasos sanguíneos são tão grossos que eu sinto a palpitação do sangue correndo conforme as batidas de seu coração vai acelerando e ele ejacula em minha boca e no meu cusinho. Nunca deixei ele gozar na minha xaninha. Não quero engravidar ainda, estou só com vinte três anos!

Ele já vem me saciando da minha compulsão de ser sodomizada há três meses. Normalmente damos um tempo de dois dias pra meu cusinho se recuperar da dilatação que a jiboia dele me faz. Mas todo dia, sem falta, fazemos sexo oral.

Por volta das nove e meia, Dito cochilava no sofá em frente a televisão. Já com saudade, telefonei pro Diogo. Dois minutos depois estava com a boca colada na dele, no corredor do meu apartamento, com os olhos na sala. Mais especificamente na nuca do Dito.
– Que loucura é essa Silmara?!!
– Só vou te ver na sexta-feira que vem! Me dá essa rola pra eu mamar!

Eu pedia, mas na verdade era eu quem já se abaixava, arriando a bermuda dele. E aquele colosso pulou fora já endurecido e me tapeando o rosto. Não pude conter um soluço de tesão. E antes que eu soltasse outro soluço, Diogo me encheu a boca com a rola e passei a murmurar com a boca cheia!
– Sil…Silmara, sei que estás ainda com o cusinho ardido! Mas… mas, deixa eu… eu te comer mais…um pouquinho!?
– E… e se eu…gritar!? Não… goza na minha boca enquanto eu toco uma siririca!
– Então va…vamos inverter! Deixa eu… te chupar… enquanto toco uma punheta!

E antes que percebesse, Diogo me levantou e me encostou na parede. Agachou-se, pegou uma de minhas coxas e colocou em cima de seu ombro. Minha xaninha polpuda a mercê da sua boca gulosa. Ele deu minha calcinha pra eu abafar a boca.
Isto era outra coisa fascinante naquele homem sem graça. Ele sabia fazer evoluir o orgasmo bem devagar, me deixando toda febril, tremendo com cada mini orgasmo que ia acontecendo até chegar ao clímax.

A calcinha me abafava a boca e eu respirava com dificuldade pelo nariz. Mas, não queria parar. Esse sufocamento e a boca de Diogo valiam mais do que minha própria vida.
O clímax já estava tomando conta do meu corpo quando fui virada e meu rosto encostou-se à parede. Senti minhas gorduchas nádegas serem separadas pelas mãos de Diogo e sua língua saracoteando o meu cusinho.
Não me aguentei mais. Sem sair do lugar, levei uma das mãos pro alto cabeça dele e segurei o que pude do cabelo crespo e tentei puxá-lo pra levantar-se. Diogo entendeu e logo me abraçava com a imensa rola sumida entre o rego da minha bunda. Ele iniciou um sobe e desce. Mas ainda era pouco pra mim.
– Me enraba, seu cachorrão! Me enraba com tudo que tens, negão safado!

Em poucos minutos, eu estava desfalecida com a cabeça jogada pra trás amparada num dos ombros dele. Diogo me amparava com os braços passados por baixo de minhas axilas e as mãos escorregando pela parede conforme íamos se abaixando com ele soltando mangueiradas de gozo dentro de meu fiofó.

Um hidroavião nos levou direto para uma das ilhas que formavam o Shagger-La. Fui apresentada ao Joel, um dos donos do resort. Fiquei sabendo que ele queria me conhecer quando me viu numa das vezes que fui me encontrar com o Dito no escritório. Descansamos e a partir do entardecer fomos para o coquetel de confraternização.

Não sei como, logo Dito foi afastado de mim. Vi que ele estava entretido numa roda de pessoas. O ambiente era glamouroso e tudo em volta era de bom gosto. Os garçons e garçonetes pareciam não existir até o momento que seu copo estivesse vazio. Nunca tinha bebido champanhe de tal sabor. Me viciei. Quando minha taça acabou, uma garrafa logo a encheu de novo.
– Notei que a senhora gostou desse champanhe! Se seu marido permitir posso lhe enviar uma caixa todo mês!
– Ooh, senhor Joel!! Me assustou! Sim, o senhor tem que perguntar ao Dito se ele autoriza!

Lhe disse isso em tom irônico, esperando desconcerta-lo. Mas a resposta dele foi mais desconcertante ainda.
– Se a senhora me permitir prefiro perguntar se ele deixa a senhora passar outros finais de semana também! E, por favor, me trate por Joel ou outro nome que queira! Mas nunca por senhor!

Eu tinha que deixa-lo sem jeito. Joel era belo como um super-modelo. Alto, grisalho e de olhos azuis turquesa.
– Ok, Joel! Continue me tratando por senhora! E pra me “comer” tem que pedir permissão de meu marido! Tens coragem?

Eu quase não parava de rir vendo a cara de espanto que ele fez.
– Me…me desculpe… eu não quis ofender! Mas… eu me insinuei demais, não foi?

Fiquei calada bebericando meu champanhe. Mas começava a me sentir febril e excitada só de pensar em estar trepando com aquele belo macho vendo meu marido há poucos metros de mim.
– Por que voce quis me conhecer? Foi esse o único motivo que nos convidou a todos!?
– Foi!!

Dessa vez fui eu quem ficou sem jeito e com a xaninha úmida. Me lembrei de Diogo e meu esfíncter se contraiu por dois segundos e relaxou depois.
– Deixa eu te falar uma coisa… eu já tenho um amante! Não há lugar pra mais um! Nem tempo!
– Voce não é mulher pra um homem só, Silmara! O amante aconteceu por negligencia do maridão ou maus tratos?
– Nenhum dos dois! Por pura atração física! Minha tesão incontrolável!
– Minha tesão incontrolável??
– É!! Mas isso nunca revelarei!
– Nem com duas caixas de champanhe!?
– Depois de me tornar alcoólatra, sim!
– Silmara, voce é fascinante! Voce deve ser inteligente acima da média! E que corpo!! A inteligência vestida de femea!

Eu tentava não me excitar mais. Mas, Joel me deixava molhadinha e pensando em Diogo, meu controle se esvaía. E aí apareceu Gusmão. Mais baixo que Joel, um pouco mais troncudo, cabelos castanhos claros, bronzeado de sol quase da cor de Diogo e cintilantes olhos verdes.
– Joel! Tava te procurando! Que dia hoje!! Estou doido por uma bebida!

Então ele me viu lhe encarando como uma fã embasbacada. Minhas defesas foram pro cacete!
– Oi! Olá!
– Essa é a Silmara! A que te falei!
– Sim! Sou a Silmara! A gostosona que ele te falou!!

Ambos arregalaram os olhos. E eu fiquei com cara de tola e de boca aberta sem acreditar no que tinha dito. Tentei me virar pra sair de perto dos dois quando vi meu marido se afastando e indo sentar-se numa mesa perto de uma mureta, observando fixamente o telefone. Por trás da mureta passava uma carreira de arbusto. E então uma ideia louca se apoderou de mim. Tentando controlar a tremedeira da tesão incontrolável, pedi perdão a Diogo em pensamento.

Fui até meu marido e perguntei o que ele estava fazendo de tão compenetrado.
– Recebi este e-mail de outro escritório pedindo que eu faça uma análise desse processo e que eles querem dar entrada logo segunda-feira. Vão me pagar dois mil euros! Vou lá pro bangalô pra me compenetrar melhor!
– Hãããm… maridinho fica aqui mais meia hora! Depois vamos embora junto! Pode ser !?

Em seguida fui até onde Joel e Gusmão, meu novo objeto de desejo, estavam. As feições deles já adivinhavam o que viria acontecer. Me coloquei no meio dos dois, cada um ao meu lado. Eu vestia um vestido leve e estava de calcinha e sutiã. Atrás de nós três não havia ninguém. Levantei pela bainha a parte de trás do vestido e minhas polpudas nádegas se descobriram cobertas por uma minúscula calcinha.
– Tirem a minha calcinha!!

Joel tentou abaixá-la como se fosse me despir. Mas foi Gusmão que a arrancou com um puxão, deixando pendurada entre minhas coxas. Tirei-a de lá e entreguei pro meu futuro belo macho.
– O que eu faço com meu amante, não farei com vocês! O resto tudo é permitido!!

Gusmão num ímpeto me tomou nos braços e me beijou apaixonadamente. Surpreso, Joel se pos na frente para que as outras pessoas não nos vissem. Se meu marido virasse por instante a cabeça nos daria o maior flagra.
– Eu… eu quero que vocês… completem minha fantasia! Estão vendo meu marido ali? Me esperem atrás do arbusto!

Me abracei como uma namorada adolescente ao Gusmão e ele me beijou com um enamorado impetuoso. Joel se conformou em ser coadjuvante, me alisando as nádegas. Incentivei que ele me abraçasse por trás. Gurjão me tirou o vestido. Fiquei só com sandálias e sutiã entre os dois homens. Meus seios estavam expostos, mas pressionados pelo sutiã enrolado por baixo deles.
Por um momento afastei a folhagem e a branca nuca de Dito me encarou como um compreensivo marido.

As rolas dos rapazes eram quase idênticas. Imensas, grossonas. Mesmo assim Diogo ganhava deles.
Por mais que eu tentasse dar atenção a Joel, foi a rolona de Gusmão que abocanhei primeiro. Eu ficava alguns segundo mamando Joel, mas voltava com voracidade para a rolona de Gusmão querendo engoli-la até o fundo de minha garganta

Decidi que iria trai Diogo com Gusmão. Meu cusinho seria dele também. Era só um final de semana e meu macho vizinho nunca iria saber. Pensando assim, não esperava quando Gusmão gozou na minha boca.
Mas, foi com Joel que gozei enquanto dedilhava meu grelinho com o pirocão dele espirrando dentro de minha boca.

Joel e Gurjão me vestiram. Resolvi não voltar a falar com Dito e ir direto pro bangalô. Quando ele chegou, eu estava de banho tomado e deitada. Enquanto ele urinava no banheiro me disse.
– O Jorge me disse que umas pessoas viram uma mulher nua sendo fod…trepando com dois homens bem atrás de onde eu estava sentado! Meu deus! Eu perco cada coisa!

Isso foi tudo no primeiro dia. Digo, na primeira noite. Que surpresa terei amanhã?

Convido meus leitores a visitar meu blog http://eternahelgashagger.blogspot.com.br/ onde encontrarão esses contos devidamente ilustrados. Obrigada

475 views

Contos relacionados

Minha madrasta lesbica

Certo dia estava em casa com minha madrasta , nos sempre ficavamos sozinhos quando minha mae saia para ir trabalhar, ela e enfermeira e trabalha a noite , quando minha mae assumiu um relacionamento...

LER CONTO

Acostumei com a rola do vovô em meu cusinho I

Eu e minha mãe, aceitamos o convite do meu avô viúvo (pai do meu pai) pra ficar morando com ele até as coisas voltarem ao normal. Meu pai que estava desempregado e passando por dificuldades...

LER CONTO

Gozei Pensando que Era Com Marido

Gozei Pensando que Era Com Marido Todos os anos passamos o carnaval na casa de praia do meu tio, um local amplo com diversos quartos e uma estrutura que nos dá um certo conforto. São cerca de...

LER CONTO

Meu colega melhorou nosso casamento

Meu colega melhorou nosso casamento Eu estava aqui pensando em que título dar, mas não  importa. Sou casada há  dois anos e meio e tenho muita dificuldade de obter orgasmo com o meu...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 4 = ?
© 2024 - Club dos contos eroticos