Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Club dos contos eroticos » Contos Gays » MEU VIZINHO ME VIU DE CALCINHA E METEU A PICA PRETA NO MEU CÚ

MEU VIZINHO ME VIU DE CALCINHA E METEU A PICA PRETA NO MEU CÚ

Publicado em 14/02/2023 por Casado Passivo

Eu ainda morava na cidade, antes de mudar de vez para a área rural, e era um bairro afastado do centro. Casas com quintais grandes e quase todas as casas tinham hortas, galinhada e algumas até cavalos e porcos. Era o típico bairro misto rural onde tinha o pessoal que plantava, criava e tinha quem gostava do lugar apenas por que lembrava um pouco da roça. E o meu vizinho da esquerda era o João que trabalhava com uma carroça de reciclado e as vezes fazia carreto ali para o povo. Do meu lado direito não tinha morador, era só um terreno que ele guardava o cavalinho dele depois de trabalhar e ficava atrás da casa lá num ranchinho improvisado fazendo a separação das sucatas que ele e o seu filho mais novo depois venderia.

Nossa divisa era uma cerca de latão e outra parte de muro bem velho. As vezes dava para ver eles por um furo ou pelas emendas dos tambores e a mulher dele, Regina, uma negra alta e magra, gostava de ficar o dia todo usando shortinhos curtos e as vezes eu me masturbava olhando ela lá no tanque lavando roupa de saia. Ela ficava de costa e quando esfregava as roupas mostrava sua bunda e sua calcinha enfiada no rego. Ela sabia e eu tinha certeza disso, que eu ficava observando ela, porque ela só fazia isso quando seu marido saia de casa e sozinha no tanque, levava a mão e ajeitava a calcinha mostrando parte da sua buceta preta. Era gostosa pra caralho aquela safada. E de tanto ela ficar se exibindo acabei comendo ela e depois aconteceu do marido dela não resistir me vendo de calcinha no meu quintal e acabou me comendo.

Foi até engraçado este caso.

MEU VIZINHO ME VIU DE CALCINHA E METEU A PICA PRETA NO MEU CÚ

MEU VIZINHO ME VIU DE CALCINHA E METEU A PICA PRETA NO MEU CÚ

Dias depois de ter comido a mulher dele, eu estava lavando roupa só de calcinha para aproveitar o dia de sol para fazer marquinha na bunda e ele estava consertando a antena dele. Eu não percebi ele no telhado e fui no varal estender as roupas. Voltei e peguei mais roupas e as calcinhas. Volto para o varal e coloquei todas e quando me dei conta, notei que João estava sentado na cumeeira e com o olhar fixado em mim. Fui para dentro e fiquei pensando o que aconteceria e o que ele poderia falar, e se falaria alguma coisa sobre o que ele tinha visto. Ele nunca me viu de calcinha e nunca mostrou gostar de viados ou falava sobre este assunto. Fiquei na encruzilhada da dúvida, mas… Vida que seguiu e continuei a minha vida e do meu jeito. Afinal eu estava em minha casa e quem me viu foi ele e eu estava dentro do meu quintal.

E continuei a minha rotina de ficar de calcinha no meu quintal e em casa e só colocava bermuda quando era pra atender o portão da rua e mais nada.

Noutra ocasião ele estava com uma escada colocando massa no telhado do ranchinho pra evitar goteira e eu pra tirar a prova, peguei a vassoura e fui rastelar a hortinha e nem liguei se ele estava me vendo. Mas dava sim, bastava ele olhar e poderia me ver e era isso que eu queria tirar a prova. Se ele continuasse a me olhar e não falasse nada, era porque estava tudo bem e eu continuaria sem receios a usar minhas calcinhas no quintal.

No dia seguinte ele estava no lugar mais perto do muro e eu peguei uma toalha e coloquei atravessada e me deitei pra tomar sol e ele continuava a me olhar e notei que ele parecia estar incomodado, até que ele disse: “Fulano… Tem jeito da gente trocar uma idéia de responsa aí contigo?”

e continuou: “Tem umas coisas que quero te dizer mas melhor de perto… Pode ser meu camarada?”

Bem no sotaque carioquês, ele desce e encosta a escada no muro e fica olhando pra mim e eu respondo: “Você quer passar pela frente ou pula aí mesmo?”.

E ele respondeu sorrindo: “Dizem lá no Rio, que quando se pula o muro na primeira vez, a gente nunca mais vai se esquecer… Vou por aqui então!”

Assim que ele chega perto de mim e eu ali deitado de bruço, como estava fiquei, escutei ele falar: “Numa boa?, Eu num sabia que você era gay e que curtia esse barato de usar calcinha… Eu queria te falar uma verdade Cara. Eu tô muito curioso e na verdade, eu tenho ficado muito digamos, excitado em ver você de calcinha entendeu? E isso tem remexido minha cabeça pra caralho e sei lá, queria saber de você, se a gente, você sabe… Quem sabe, a gente poderia assim tendo um tempo e você (eu vendo ele todo enrolado para dizer o que eu já tinha sacado, interrompi ele e falei):

“Você tá querendo me comer é isso e tá sem graça de falar… Neguinho se é isso fica tranquilo. Quer saber se eu dou a bunda??? Eu dou!!! Quer me comer??? É só meter e pronto!!! Pra que tanto rodeio assim pra falar que tá querendo comer meu cú Negão?”

E vendo que ele começou a ficar mais relaxado mas estava excitado, eu meti a mão no pau dele e apertei e disse: “Você tem uma rola bonita e se ficar maior, vai ser melhor ainda!”

Meti a boca nele e dei uma mamada deliciosa e não é que a rola dele foi crescendo mais ainda e engrossou que me deixou todo arrepiado.

João tirou a roupa e peladinhos ali e me vendo de quatro na frente dele só molhou a cabeça da rola e meteu ela toda dentro do meu rabo.

Ele socou a rola gostoso e mexia no fundo e sua pica preta começava me deixar aberto e eu vendo que queria dar uma gozada disse pra ele: “Vou dar uma gozada pelo cú… Enterra lá no fundo com bastante força… Soca bem fundo… Mais forte… Me rasga que eu tô gozando!!!”

Ele sentindo a porra do meu cú falou pra mim: “Nunca vi alguém gozando pelo cú… É quente que queima tudo”

Eu então disse: “Continua metendo a pica, mas mete sem dó Neguinho. Me judia bastante. Fode meu cú melhor do que o rabo da sua mulher fode?!”

E falando isso ele ficou meio animal e em seguida me deu uma gozada lá no fundo do meu rabo que cheguei a pensar que a porra iria pra barriga.

Ele acabando de fuder meu cú me dá uma resposta: ” Se minha mulher me desse a bunda do seu jeito, eu te juro que nunca na vida iria querer trair ela!”

Então eu pegando no pau dele para dar uma chupada pra chupar a porra que ainda estava pingando, disse: “Não precisa comer o cú dela Nêgo, é só passar prá cá e me comer gostoso e assim você tem um cú que fode seu pau gostoso e você come sua mulher sem ela saber que aqui do lado tem meu cú arrombado pra você fuder!”

E ele deu risada e metendo o dedo no meu cú me disse que se eu fosse largo mesmo ele acabaria metendo a mão no meu rabo.

E eu disse pra ele que, se fudesse o meu cú todo dia, eu deixaria ele me colocar a mão toda na minha bunda.

E não demorou muito e menos de uma semana João, o Neguinho da pica grossa, estava me fudendo com a mão inteira enterrada no meu cú.

Promessa cumprida e macho feliz!

3115 views

Contos relacionados

Afeminado me supreendeu

Afeminado me supreendeu Recentemente, fui resolver um problema profissional numa cidade perto de Recife. Na hora do almoço, fui almoçar  num restaurante indicado por dois colegas que moram lá ,...

LER CONTO

Meu tio me iniciou agora não quero parar

Olá tudo bem, esse é meu primeiro conto meu tio me iníciou. vou me descrever, sou branco 1.72 75kg 21 anos e bem atraente, não sou afeminado, sou um rapaz comum porem sou compromissado com...

LER CONTO

Meus amigos me foderam

Meus amigos me foderam Ola, meu nome é PedroMeus amigos me foderam, tenho 15 anos, sou alto, magro, tenho um pau de 17 centimetros, cu rosinha e arrombadinho (eu gostava de dar o cu pro meu primo e...

LER CONTO

Isso que rola no cine Arouche?

Estou a 4 anos só, e desde o começo do ano 2020 estava na seca, todas as noites via filmes pornos, e me masturbava antes de dormir, e comecei a ver filmes gays e comecei a ficar com vontade de...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 3 + 5 = ?
© 2024 - Club dos contos eroticos