Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]

Até que enfim

Publicado em 03/01/2024 por Fernando Moreno

conto erotico Até que enfim em audio 2024

Como disse agora a pouco, Silvana e eu começamos a fazer um meia nove incrível, se você perdeu meus contos anteriores sugiro que leia eles, para poder entender o que aconteceu até aqui. Mais em fim, eu fui abocanhado por Silvana, uma baxotinha que se declarava lésbica, e que já namorou mulheres muito lindas por sinal. Ela me declarou que preferia mulher porque os homens não aguentava ela. Pois ela quanto mais gozava, com mais fogo ficava, e os homens não conseguia satisfazer ela. Por isso quando ela começou a me chupar, por eu estar um bom tempo sem sexo, sabia que iria gozar rápido, e como não estava esperando aquela surpresa maravilhosa vindo da parte dela; pois realmente nunca esperei que ela ira realizar uma fantasia minha, a qual nois conversávamos, sem interesse algum. Quando ela começou a me chupar e percebi que aquele boquete poderia fazer eu gozar,pedi pra ela ir devagar, pois estava um bom tempo sem sexo e poderia gozar, foi a mesma coisa de dizer continua e não para, ela começou a abocanhar meu pau com muito mais desejo e vontade. Punhetando ele enquanto estava dentro de sua boca, o que me fez chupar a xoxota dela com muito mais desejo ainda, lembrando que ela ja tinha gozado no oral a qual já tinha feito nela, outra coisa que ela já tinha me dito anteriormente, que gozava muito fácil devido ter o clítoris grande, como nunca tinha visto, nem tchum.
Mais ao me deparar com o clítoris dela, pude ver que realmente ele era grande mesmo, mais que fazia ela gozar com muita facilidade, o que me fez chupar ela com gosto e poder sentir sua buceta pulsar na minha boca. Quando percebi que iria gozar, pedi para ela dar uma pausa que eu poderia não aguentar, pois não queria entrar para o grupo de homens que decepcionaram ela na cama. O que fez ela me chupar com mais vontade ainda e me disse: “goza que eu vou engolir tudinho, e deixar seu pau bem limpinho.”
Não deu outra, acabei gozando, o que me deixou mais de boca aberta ainda, é que ela não deixou cair uma gota fora da sua boquinha pequena, antes ela engoliu tudo e continuou chupando, me fazendo ter espasmo da gozada, e de ficar com o pau sensível devido o gozo a qual acabara de ter. Quando acabei de gozar, e ela acabou de limpar meu pau, saiu de cima de mim e me disse: “vai beber água, porque só estamos começando.” Obedeci é claro, mais imaginando o que seria que ela tinha me preparado naquela noite. Enquanto fui beber água ela foi no banheiro se lavar; voltei e trouxe água para ela, que bebeu e já se ajoelhou na minha frente, enfiando o meu pau que não estava mais tão duro. Ela começou a chupar meu pau, o que por sinal começou a dar sinal de vida, achei aquilo incrível, pois nunca tinha tido uma transa com uma mulher insaciável, obvio que quando percebi que ele estava já duro, peguei na nuca dela e comecei fazer movimento de vai e vem com o meu pau dentro da boca dela. Ela se levantou e ficou de quatro na beirada da cama e disse: “mete no meu cu.” Não acreditei no que eu ouvi, mais também não questionei, pois sempre amei comer cu. E esse convite para mim foi o melhor convite que eu pude receber. Lembrei que tinha um gel que nem sei a quanto tempo estava no meu guarda roupa.
Passei com gosto, coloquei a cabeça na entrada daquele cuzinho rosadinho, forcei com pouca força e percebi que ela se contorceu um pouco, o que segurei ela pelo cabelo, ela soltou um gemido forte e alto e terminou de enfiar meu pau em seu cuzinho; e começou a bombar sua bunda no meu pau, o que me fez segurar sua bunda com as duas mãos, e me fez sentir meu pau todo dentro daquele cuzinho rosadinho, quando olhei aquela bunda empinada na minha frente, dei um tapa que fez a Sil soltar um gemido alto e forte, fiquei com pouco de medo dos vizinhos estar escutando os gemidos, mais nesta hora já não estava mais importando com nada. Coloquei uma perna em cima da cama deixando a outra em baixo e comecei a bombar com força e vontade, como tive medo do pau abaixar, pois como já tinha gozado não sabia quanto tempo duraria essa euforia, comecei a bombar com gosto, a Sil por sua vez, colocou uma mão na sua xoxota enquanto eu estava comendo seu cuzinho, ela estava se tocando. quando percebi que estava próximo a gozar intensifiquei mais ainda a bombada, o que percebi que a Sil estava gozando também. Enquanto percebi que ela estava gozando não parei e bombar. Foi uma transa maravilhosa que ela me proporcionou, mais não se engane não acabou por ai, jaja trago o relato de que aconteceu ainda nesta noite.

Como disse agora a pouco, Silvana e eu começamos a fazer um meia nove incrível, se você perdeu meus contos anteriores sugiro que leia eles, para poder entender o que aconteceu até aqui. Mais em fim, eu fui abocanhado por Silvana, uma baxotinha que se declarava lésbica, e que já namorou mulheres muito lindas por sinal. Ela me declarou que preferia mulher porque os homens não aguentava ela. Pois ela quanto mais gozava, com mais fogo ficava, e os homens não conseguia satisfazer ela. Por isso quando ela começou a me chupar, por eu estar um bom tempo sem sexo, sabia que iria gozar rápido, e como não estava esperando aquela surpresa maravilhosa vindo da parte dela; pois realmente nunca esperei que ela ira realizar uma fantasia minha, a qual nois conversávamos, sem interesse algum. Quando ela começou a me chupar e percebi que aquele boquete poderia fazer eu gozar,pedi pra ela ir devagar, pois estava um bom tempo sem sexo e poderia gozar, foi a mesma coisa de dizer continua e não para, ela começou a abocanhar meu pau com muito mais desejo e vontade. Punhetando ele enquanto estava dentro de sua boca, o que me fez chupar a xoxota dela com muito mais desejo ainda, lembrando que ela ja tinha gozado no oral a qual já tinha feito nela, outra coisa que ela já tinha me dito anteriormente, que gozava muito fácil devido ter o clítoris grande, como nunca tinha visto, nem tchum.
Mais ao me deparar com o clítoris dela, pude ver que realmente ele era grande mesmo, mais que fazia ela gozar com muita facilidade, o que me fez chupar ela com gosto e poder sentir sua buceta pulsar na minha boca. Quando percebi que iria gozar, pedi para ela dar uma pausa que eu poderia não aguentar, pois não queria entrar para o grupo de homens que decepcionaram ela na cama. O que fez ela me chupar com mais vontade ainda e me disse: “goza que eu vou engolir tudinho, e deixar seu pau bem limpinho.”
Não deu outra, acabei gozando, o que me deixou mais de boca aberta ainda, é que ela não deixou cair uma gota fora da sua boquinha pequena, antes ela engoliu tudo e continuou chupando, me fazendo ter espasmo da gozada, e de ficar com o pau sensível devido o gozo a qual acabara de ter. Quando acabei de gozar, e ela acabou de limpar meu pau, saiu de cima de mim e me disse: “vai beber água, porque só estamos começando.” Obedeci é claro, mais imaginando o que seria que ela tinha me preparado naquela noite. Enquanto fui beber água ela foi no banheiro se lavar; voltei e trouxe água para ela, que bebeu e já se ajoelhou na minha frente, enfiando o meu pau que não estava mais tão duro. Ela começou a chupar meu pau, o que por sinal começou a dar sinal de vida, achei aquilo incrível, pois nunca tinha tido uma transa com uma mulher insaciável, obvio que quando percebi que ele estava já duro, peguei na nuca dela e comecei fazer movimento de vai e vem com o meu pau dentro da boca dela. Ela se levantou e ficou de quatro na beirada da cama e disse: “mete no meu cu.” Não acreditei no que eu ouvi, mais também não questionei, pois sempre amei comer cu. E esse convite para mim foi o melhor convite que eu pude receber. Lembrei que tinha um gel que nem sei a quanto tempo estava no meu guarda roupa.
Passei com gosto, coloquei a cabeça na entrada daquele cuzinho rosadinho, forcei com pouca força e percebi que ela se contorceu um pouco, o que segurei ela pelo cabelo, ela soltou um gemido forte e alto e terminou de enfiar meu pau em seu cuzinho; e começou a bombar sua bunda no meu pau, o que me fez segurar sua bunda com as duas mãos, e me fez sentir meu pau todo dentro daquele cuzinho rosadinho, quando olhei aquela bunda empinada na minha frente, dei um tapa que fez a Sil soltar um gemido alto e forte, fiquei com pouco de medo dos vizinhos estar escutando os gemidos, mais nesta hora já não estava mais importando com nada. Coloquei uma perna em cima da cama deixando a outra em baixo e comecei a bombar com força e vontade, como tive medo do pau abaixar, pois como já tinha gozado não sabia quanto tempo duraria essa euforia, comecei a bombar com gosto, a Sil por sua vez, colocou uma mão na sua xoxota enquanto eu estava comendo seu cuzinho, ela estava se tocando. quando percebi que estava próximo a gozar intensifiquei mais ainda a bombada, o que percebi que a Sil estava gozando também. Enquanto percebi que ela estava gozando não parei e bombar. Foi uma transa maravilhosa que ela me proporcionou, mais não se engane não acabou por ai, jaja trago o relato de que aconteceu ainda nesta noite.

78 views

Contos relacionados

Transando pela casa

Mais um conto real pra vocês Depois de quase morrer trepando na noite de sexta-feira, passamos o sábado comportados. Não fizemos nada. Mas na manhã de domingo, Gláucia acordou muito louca....

LER CONTO

50 tons de pretinho

Mais um conto real pra vocês Sexta-feira chegou e Gláucia foi ao meu trabalho, ela ia passar o fim de semana lá em casa. - Oi, meu pretinho... saudade. Me deu um abraço gostoso, parecia uma...

LER CONTO

Encontro ao Acaso

Conto erótico Encontro ao Acaso em audio Era uma sexta-feira por volta de umas 21:30, após uma semana corrida e cheia de desafios nada fora da rotina, mais era daqueles dias que eu não...

LER CONTO

O primeiro dia do trisal

Conto erótico O primeiro dia do trisal olá pensei em deixar para contar mais pra frente esse relacionamento...porém foi tão intenso que estaria sendo injusta com vcs. A noite foi de descanso...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 5 = ?

Parceiros Do Site

© 2024 - Club dos contos eroticos